A SEGURANÇA DO ESPÍRITO SANTO

“A PM precisa passar por reestruturação”

intervencao-es

A afirmação é do governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, que afirmou intenção de reformar a Polícia Militar capixaba.

 

Enquanto a reestruturação não acontece,  é decretada intervenção no Estado passando um atestado de incompetência de sua gestão ao entregar nas mãos do Exército o controle da Segurança Pública.

 

A GloboNews entrevistou o político que falou sobre o caos na segurança pública em seu estado, que hoje completa uma semana de variados episódios de violência, porque os policiais militares já não freqüentam as ruas como de costume.

 

Dizendo-se em situação de recuperação da saúde, por conta de cirurgia de retirada de um tumor localizado na bexiga, o governador em exercício é César Colnago.

 

Ignorando os protestos de familiares dos policiais por reajuste salarial para a categoria, o Executivo frustrou hoje a segunda reunião para apresentação de propostas.

 

Na metade dessa semana, a primeira reunião propunha anistia para as manifestantes e os policiais militares, e reajuste salarial de 43%, o que foi afastado pelo governo.

 

Hoje, 10 de fevereiro parentes e amigos de policiais militares estiveram no Palácio da Fonte Grande, em Vitória num encontro a portas fechadas.

 

Após quase 10 horas reunidas as partes conflitantes o resultado foi negativo já que não houve acordo.

 

A assessoria do Executivo, porém, tentou minimizar o caso dizendo que a conversa continua e que outro grupo de mulheres seguia no palácio, do que não apresentou provas.

 

A relação direta entre rebeliões em presídios e motins na PM vem sendo negada por todas as autoridades ouvidas pela imprensa.

 

Entretanto, embora tenham negado essa conexão, ambos os espaços institucionais pertencem à área de segurança pública e portanto, mais que natural que haja repercussão dupla dos golpes desferidos unilateralmente.


A MOTIVAÇÃO DA CRISE:

 

O que se passa no Espírito Santo, com chances reais de se espalhar por todo o Brasil, não foi obra do acaso e não aconteceu “de repente”.

 

–  PMs reivindicam aumento nos salários, pagamento de benefícios e adicionais e criticam as más condições de trabalho.


– Como os PMs não podem fazer greve, as famílias foram para a frente dos batalhões para impedir a saída das viaturas policiais.


– O bloqueio começou no sábado (4) e atinge a Grande Vitória e cidades como Linhares, Aracruz, Colatina, Cachoeiro de Itapemirim e Piúma.


– Desde então, a Grande Vitória registrou mortes.


– Escolas, postos de saúde e parte do comércio estão fechados desde segunda-feira (6), quando ônibus também pararam de circular. Os ônibus voltaram a rodar na terça (7), mas em horário alternativo.


– 1.000 homens das Forças Armadas fazem policiamento na Grande Vitória desde segunda; 200 integrantes da Força Nacional começam a atuar na terça.

Informações do G1 ES

É permitida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo publicado no Portal PolicialBR desde que citada a fonte.

O SILÊNCIO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

 

O especialista em se “fingir de morto” ficou calado, durante 7 dias, sem dar um pio, fazendo de conta que nem era com ele o descalabro no Estado do Espírito Santo.

 

pm-es-1

 

Após uma semana de silêncio, o presidente da República, que não se pronunciava sobre a situação, resolveu apresentar singela NOTA À IMPRENSA.

 

O ministro interino da Justiça, José Levi, também permaneceu calado; seguindo a linha palaciana.

 

Enquanto isso, o ministro Alexandre Moraes era entrevistado em um barco de um senador, numa espécie de “prévia” da sabatina que ainda será feita, para explicar entre outras coisas, qual é efetivamente sua ligação com o crime dito organizado, a facção mais famigerada dentro e fora do país e que se intitula “comando”. Mal parido no berço da arrogância, que é o Estado de São Paulo, o tal grupo organizado tem um chefe a quem não se pode negar inteligência e poder, já que pôs uma das maiores metrópoles do planeta de joelhos em 2006. Milhares de PMs – sem qualquer aviso sobre o que se passava! – morreram feito moscas. Para quê? para que o governador pudesse simplesmente se dedicar aos seus próprios interesses. Durante alguns anos, após esses episódios, resolveu dizer que a facção era uma lenda. Mais algum tempo e resolveu assumir: a facção existe. E no final de um outro período, veio à tona que o próprio governador negociava com os bandidos. Até altos escalões da PM estão envolvidos em casos gravíssimos de quebra da hierarquia, da ordem, da disciplina e da simples vergonha na cara. Não se viu qualquer destes ser enquadrado em crimes, sequer serem alvos de investigação.

Valendo-se do prestígio amealhado dentro da caserna, tornaram-se, muitos dos traidores, parlamentares, ganhando ainda mais, conchavando, formando times fortíssimos para o jogo de golpes abaixo da linha da cintura e ainda se dão ao luxo de apontar o dedo aos outros, ou ameaçar quem está debaixo do seu mando.

 

pmes ssp.png

 

pmes deputado alvaro batista camilo.png

 

Claro que todos, apesar de não mostrarem, estão com medo e se questionando de si pra si mesmo e entre si:

“E SE ISSO SE ESPALHAR NO BRASIL INTEIRO?”

A gravidade do quadro de desgoverno capixaba  ameaça se tornar em novos movimentos de paralisação da polícia de outros Estados já conflagrados, como o Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Interessante como na vida do policial militar, SEMPRE SE RECORDA SEU ERRO, jamais seu acerto!

Quem se lembra do ato de dignidade e amor desta capitã, amamentando um bebê cuja mãe estava em crise?

NINGUÉM!!!!!!!!!

e QUEM SE LEMBRA QUE ELA POSTOU NO FACEBOOK ALGO INOPORTUNO, MAS QUE ERA FRUTO DE JUSTO DESABAFO???????????

Para dar “satisfação à sociedade” ela foi PRESA!

Claro que também porque é mulher, porque teve ousadia que faltou a muitos machos e mais um sem número de motivos, todos não declarados.

Quem lhe empresta solidariedade?

pmrj-cap-presa

 

DANE-SE O ESPÍRITO SANTO

No fundo, todos os que tem mínima informação sobre os movimentos palacianos, sabem que a briga por quem vai ocupar a cadeira da Justiça & Segurança Pública é enorme e pouco se importam com o que se passa no Espírito Santo.

 

Mais que isso, a base aliada é investigada na Operação Lava Jato.

 

Temer o quê? não é mesmo???

 

Em breve se escolherá o novo ministro de Estado para responder sobre o caos na segurança capixaba, desde que se consiga êxito na sabatina de Moraes no Senado.

 

Claro que se isso acontecer, tudo vai se acalmar na área de Segurança Pública em todos os Estados, porque o novo ministro em tribunal do Judiciário, a mais alta corte do país, será ninguém menos que um ex-advogado de facção criminosa.

SÃO PAULO E A FACÇÃO OFICIAL

O ministro da Justiça, licenciado pela indicação à vaga de Teori Zavascki no Supremo Tribunal Federal, foi promotor de justiça, advogado e secretário de segurança em SP.

Todos sabem dentro e fora de SP, que não foi apenas um erro da imprensa ao “interpretar” notícia que o envolve diretamente com facções do crime organizado.

Todos sabem que o governador, abraçado com um ladrão de empresa de segurança de valores – que se tornou vereador presidente de Câmara na grande SP e agora prefeito da mesma cidade – precisaria ser investigado como suspeito não apenas de corrupção mas de vários outros crimes, cuja lista não cabe em artigo de Blog.

E todos sabem que por essas razões é que o governo federal não vai dar a menor importância para o que aconteça no Espírito Santo.

alckmin_pcc06

 

Defesa

Perguntado por A GAZETA, o Ministério da Justiça não detalhou a biografia de Levi. A tarefa de defender o interino coube ao líder do governo do Senado, Aloysio Nunes (PSDB-SP) – cotado para a Justiça, mas interessado em terminar seu mandato até 2018. “Levi é um jurista renomado e de larga experiência na pasta. Trabalhou inclusive no governo Dilma Rousseff (PT)”. Nunes ainda disse que o governo federal é solidário, presente e atuante no Espírito Santo na crise.

Mas não é só a pasta da Justiça, responsável pelo socorro ao Estado, que está sem o comando do titular. O ministro da Defesa, Raul Jungmann (PPS-PE), está em missão em Portugal desde terça-feira. Volta hoje ao Brasil. O general de brigada Adilson Katibe é que comanda a Força-Tarefa Conjunta em ação no Espírito Santo.

Aliás, mesmo que tenha ido a Vitória e liberado os homens das Forças Armadas para atuar em território capixaba, Jungmann se mostrou ainda mais ágil para atender sua terra, Pernambuco. Em dezembro passado, mesmo sem greve concreta da Polícia Militar, nada menos que 3,5 mil militares das Forças Armadas circulavam pela região metropolitana do Recife. Havia ameaça de greve, e o efetivo foi solicitado pelo governador Paulo Câmara (PSB) por “precaução”.

Temer, da última vez em que falou sobre segurança, em janeiro, se embananou. Só se manifestou cinco dias após o início da crise do sistema penitenciário em Manaus, chamando a chacina de “acidente pavoroso”, como se acidente tivesse sido. A Força Nacional de Segurança tem tido trabalho: começou 2017 socorrendo Estados com crise prisional, como Amazonas e Roraima.

Fonte: Gazeta Online

VITÓRIA – Após mais de dez horas de reunião, terminou sem acordo a negociação entre mulheres de policiais militares e governo do Espírito Santo. Com isso, o motim de PMs irá para o sétimo dia nesta sexta-feira. O encontro foi realizado no Palácio Fonte Grande, uma das sedes do governo capixaba, em Vitória, e terminou após a 1h25.

No fim do encontro, mulheres representantes dos PMs saíram revoltadas. Elas afirmaram que o governo não sinalizou nenhum tipo de reajuste. O pedido dos policiais é reposição salarial de pelo menos 43%. PMs à paisana do lado de fora do prédio chamaram o governador Paulo Hartung, que está licenciado, de “bandido”. Um dos PMs disse que a categoria fará aquartelamento.

O governo estadual se demonstra irredutível. A alegação é de que o aumento pretendido pela categoria representaria um custo adicional de R$ 500 milhões nos gastos com pessoal, que levaria a um rombo nos cofres do Estado. Segundo o governo, o Executivo já ultrapassou o limite de alerta de despesas com pessoal (44,1% da Receita Corrente Líquida) estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

O alegado impacto nos cofres públicos levou o governador licenciado do Estado, Paulo Hartung, afirmar na quarta-feira que o motim era uma “chantagem” e comparou o ato com um sequestro, dizendo que aceitar as exigências “seria como pagar um resgate”.
Fonte PolicialBR: http://www.policialbr.com/2017/02/10/reuniao-entre-familiares-de-pms-e-governo-do-es-termina-sem-acordo/#ixzz4YJkPHQsq

Se a população valorizasse suas forças de segurança, ao invés de se revoltar com o caos que sua ausência dispara, deveria prestar mais atenção ao que acontece onde se localiza o centro de poder.

 

Só o ministro da Saúde adquiriu um imóvel no valor de 56 milhões de reais, quando declarou patrimônio de 1,8 milhão, segundo notícia da Folha de SP.

 

Convenhamos: reclamar de pessoas honestas, que são parte de uma das raras instituições proibidas de exercer o direito de greve, para dizer o mínimo: é hipocrisia.

 

O que interessa, até como um fator de inibição de “novas condutas” de motim, é que sejam CRIMINALIZADOS OS POLICIAIS MILITARES CAPIXABAS.

E que o rigor a ser aplicado contra estes, seja exemplar!

LEMBREM-SE: se há controle efetivo da violência, é o de quem tem armas nas mãos.

 

Mas tem ainda um problema muito maior a ser resolvido e as pessoas ainda não perceberam isso, porque são manipuladas pela imprensa, pelas redes sociais, pelos boatos e o diabo: ARMAS, ambos os lados do conflito tem.

 

Resta saber em quem a população confia: nos PMs ou nos integrantes de facção?

 

sandra paulino

Anúncios